terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Ao lado de um grande Ele, está sempre uma grande Ela - Crónica nº 1




Vim aqui tentar rebater a ancestral ideia que ainda hoje em dia nos tenta convencer que “por detrás de um grande homem existe sempre uma grande mulher”.


Foi-me dada essa oportunidade e agora estou com intenções de não parar até conseguir provar que essa ideia está errada, e que na verdade o que acontece ou deveria acontecer para que a vida de casal, familiar e social funcione em pleno, seria antes a ideia que é ao lado de um grande homem que deverá estar uma grande mulher.


A sociedade portuguesa encontra-se estendida entre dois pólos, um ainda muito tradicional e outro já demasiadamente vanguardista, que neste aspeto em particular, ora por um lado ainda coloca a mulher em posição de inferioridade ou submissão perante o homem, ora por outro lado a mulher tenta colocar-se adiante do homem.


Nem um cenário nem o outro me parecem corretos, pois quebram a cooperação e dispersam energias, quando é certo e sabido, que partes diferentes se complementam, e quando juntas formam o motor que tudo faz operacionalizar, tanto assim é, que se repararem bem, a criação do homem assenta nesse princípio da complementaridade entre macho e fêmea, sem conferir maior ou menor importância a uma das partes, qual relação tomada/ficha que permite a passagem da energia necessária ao funcionamento dos equipamentos elétricos, ou qual relação chave/fechadura que permite abrir portas. Qual dos dois lados tem mais importância que o outro?!


Permitam-me pois, neste espaço, tentar rebater essas ideias que ainda proliferam em abundância na nossa sociedade e que me parecem nefastas por promoverem a desigualdade de géneros.



Pedro Ferreira © 2017






http://www.revistaeleseelas.com/ 

 https://www.facebook.com/pedroferreirawritingbook/





quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Talvez um Dia


Certo dia aprendi a ler para escrever;
Certo dia aprendi a escrever para poder;
Certo dia aprendi a poder para querer;
Certo dia aprendi a querer para sentir;
Certo dia aprendi a sentir para viver;
Certo dia aprendi a viver para ter;
Certo dia aprendi a ter para guardar;
Certo dia aprendi a guardar para ser;
Certo dia aprendi a ser para saber.

Neste dia aprendo a saber quem sou;
Neste dia aprendo a ser o que guardo;
Neste dia aprendo a guardar o que tenho;
Neste dia aprendo a ter o que vivo;
Neste dia aprendo a viver o que sinto;
Neste dia aprendo a sentir o que quero;
Neste dia aprendo a querer o que posso;
Neste dia aprendo a poder o que escrevo;
Neste dia aprendo a escrever o que leio.

Talvez um dia aprenda a ler o que escrevo;
Talvez um dia aprenda a escrever o que posso;
Talvez um dia aprenda a poder o que quero;
Talvez um dia aprenda a querer o que sinto;
Talvez um dia aprenda a sentir o que vivo;
Talvez um dia aprenda a viver o que tenho;
Talvez um dia aprenda a ter o que guardo;
Talvez um dia aprenda a guardar o que sou;
Talvez um dia aprenda a ser o que sei.


Pedro Ferreira © 2016
(Todos os Direitos Reservados, Registo de Obra n.º 2629/2017)